Mensagem

"A GRATIDÃO DESBLOQUEIA A ABUNDÂNCIA DA VIDA".

terça-feira, 31 de julho de 2012

Que tal organizar seu material de estudo?



Antes mesmo de começar a estudar é bom seguir umas regrinhas básicas de como aproveitar melhor seu tempo. Hj a dica é que tal organizar sua mesa de trabalho? Faça vc mesmo seu arquivo para guardar seu material de estudo. Fácil de fazer, de só uma olhada. Se vc gostar da idéia, não saia sem comentar,ok?
Abz
Profª Susi

Um bom dia a todos


Queridos alunos

Aproveitem o dia para estudar, com essa chuvinha até dá para fazer uma pausa para a pipoca. Então, agora é só começar. Um bom estudo a todos.
abz
profª Susi

segunda-feira, 23 de julho de 2012

ADITIVOS QUÍMICOS: Vc conhece? Vem comigo...

Vem saber mais sobre eles:

Conceito de aditivos

São aquelas substâncias acrescentadas aos alimentos para melhorar sua cor, textura e aroma ou para conservá-los frescos por mais tempos.

Malefícios a saúde

Os aditivos passam por rigorosos testes. Os que provocam efeitos colaterais não são aprovados. Para todas a substâncias, níveis de segurança são estabelecidos e não podem ser ultrapassados. Esses níveis são fixados bem abaixo dos limites considerados seguros para o homem, supondo-se um consumo razoável dos alimentos que contém esse aditivo.

LISTA DE ADITIVOS:

Biscoito doce de leite - Triunfo.

Ingredientes: Farinha de trigo, açúcar cristal, gordura vegetal hidrogenada, açúcar invertido, amido de milho, soro de leite em pó, doce de leite em pó e sal refinado.
Aditivos: Aroma reconstituído de doce de leite, estabilizante lecitina de soja e corantes naturais.

Bubaloo - Adams.

Ingredientes: Açúcar, xarope de glicose, base para goma de mascar.
Aditivos: Acidulante ácido cítrico, aroma natural de lima-limão, corantes artificiais.

Clorets - Adams.
Ingredientes: Açúcar e xarope de glicose.
Aditivos: Cristais de mentol, actizol, corante natural de clorofila.

Creme de alho - Queops.
Ingredientes: Sal, alho, açúcar, glutamato monossódico.
Aditivos: Corante natural de cúrcuma.

Creme de Leite - Parmalat
Ingredientes: Creme de leite, leite em pó; expressastes goma alfarroba e carragena e estabilsante citrato de sódio.
Aditivos: citrato de sódio

Gelatina - Sadia.

Ingredientes: Açúcar, gelatina e sal refinado.
Aditivos: Estabilizante citrato monossódico, aroma natural de limão, corantes artificiais e acidulantes ácido cítrico e ácido
fumárico.

Grill - Maggi.
Ingredientes: Sal, glutamato monossódico, amido de milho, cebola, gordura vegetal hidrogenada, salsa, alho
porró, mangerona, aipo, louro, pimeta-do-reino e cúrcuma.
Aditivos: Aroma natural de alho, acidulante ácido cítrico e anti-umectante dióxido de silício.

Iogurte de morango - Damare.
Ingredientes: Leite, açúcar, fermento láctico e polpa de morango.
Aditivos: Corante natural de choconilha e sorbobato de potássio.

Leite de Côco - Socôco
Ingredientes: Leite de côco padronizado para 11 a 13% de gordura.
Aditivos: (não possui)

Maionese Hellmann's - Refinações de Milho Brasil
Ingredientes: Óleo vegetal, ovos, vinagre, sal, açúcar, suco de limão concentrado, óleo rezina de páprica, olho e essencial de
mostarda.Aditivos: Edta Calcica dissódica

Saiba muito mais: Equipe Aprovação Vestibulares e Concursos

CADEIA ALIMENTAR


CADEIA ALIMENTAR - saiba como funciona:

A matéria está constantemente ciclando dentro de um ecossistema, ou dito de outra forma, o que os seres vivos retiram do ambiente, eles devolvem. Tem sido assim desde do início da existência da vida da terra, até os dias de hoje. Trata-se de um ciclo eterno.


Além da matéria, a energia também passa por todos os componentes de um ecossistema, só que, no entanto, enquanto a matéria circula, a energia flui, o que significa que a energia não retorna ao ecossistema como a matéria como iremos ver na próxima seção.

Como podemos notar, os ecossistemas possuem uma constante passagem de matéria e energia de um nível para outro até chegar nos decompositores, os quais reciclam parte da matéria total utiliza

da neste fluxo. A este percurso de matéria e energia que se inicia sempre por um produtor e termina em um decompositor, chamamos de cadeia alimentar.

Componentes de uma cadeia alimentar

Obrigatoriamente, para existir uma cadeia alimentar devem estar presentes os produtores e os decompositores. Entretanto não é isso o que acontece na realidade, pois outros componentes estão presentes. Desta forma a melhor maneira de se estudar uma cadeia alimentar, é através do conhecimento dos seus componentes, ou seja, toda a parte viva (fatores bióticos) que a compõe.

Os componentes de todas as cadeias de uma forma geral podem ser enquadrados dentro das seguintes categorias:

  • Produtores-são todos os seres que fabricam seu próprio alimento através da fotossíntese, sendo neste caso as plantas, sejam elas terrestres ou aquáticas;
  • Consumidores
  • Animais - os animais obtém sua energia e alimentos comendo plantas ou outros animais, pois não realizam fotossíntese, sendo, portanto incapazes de fabricarem seu próprio alimento.
  • Decompositores - apesar da sua importância, os decompositores nem sempre são muito fáceis de serem observados em um ecossistema, pois sendo a maioria formada por seres microscópicos, a constatação d da sua presença não é uma tarefa tão fácil.




Fonte: educar.sc.usp.br

PS: Perdi a autoria dos slides. Se alguém souber o autor, por favor entre em contato comigo para que possa identificar a fonte e o autor. Grata.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

ALCOOLISMO NA ADOLESCÊNCIA


Alcoolismo nunca foi problema exclusivo dos adultos. Pode também acometer os adolescentes. Hoje, no Brasil, causa grande preocupação o fato de os jovens começarem a beber cada vez mais cedo e as meninas, a beber tanto ou mais que os meninos. Pior, ainda, é que certamente parte deles conviverá com a dependência do álcool no futuro.

Para essa reviravolta em relação ao uso de álcool entre os adolescentes, que ocorreu bruscamente de uma geração para outra, concorreram diversos fatores de risco. O primeiro é que o consumo de bebida alcoólica é aceito e até estimulado pela sociedade. Pais que entram em pânico quando descobrem que o filho ou a filha fumou maconha ou tomou um comprimido de ecstasy numa festa, acham normal que eles bebam porque, afinal, todos bebem.

Sem desprezar os fatores genéticos e emocionais que influem no consumo da bebida – o álcool reduz o nível de ansiedade e algumas pessoas estão mais propensas a desenvolver alcoolismo –, a pressão do grupo de amigos, o sentimento de onipotência próprio da juventude, o custo baixo da bebida, a falta de controle na oferta e consumo dos produtos que contêm álcool, a ausência de limites sociais colaboram para que o primeiro contato com a bebida ocorra cada vez mais cedo.

Não é raro o problema começar em casa, com a hesitação paterna na hora de permitir ou não que o adolescente faça uso do álcool ou com o mau exemplo que alguns pais dão vangloriando-se de serem capazes de beber uma garrafa de uísque ou dez cervejas num final de semana.

Não se pode esquecer de que, em qualquer quantidade, o álcool é uma substância tóxica e que o metabolismo das pessoas mais jovens faz com que seus efeitos sejam potencializados. Não se pode esquecer também de que ele é responsável pelo aumento do número de acidentes e atos de violência, muitos deles fatais, a que se expõem os usuários.

Proibir apenas que os adolescentes bebam não adianta. É preciso conversar com ele.

DEPENDÊNCIA

Drauzio – Normalmente, a dependência do álcool leva anos para estabelecer-se. Mesmo assim, é possível o adolescente tornar-se dependente?

Ronaldo Laranjeira – De fato, a dependência do álcool leva anos para estabelecer-se. Porém, um artigo publicado há pouco tempo no “Pediatrics” mostrou que a exposição precoce à bebida alcoólica na adolescência aumenta muito a probabilidade de a pessoa tornar-se dependente.

Expor o cérebro em formação, principalmente no estirão da puberdade, à bebida alcoólica faz com que o jovem valorize o prazer químico do álcool e passe a usá-lo regularmente. Por isso, se comparada com a dos adultos que é de 11%, a prevalência do alcoolismo é baixa na adolescência, gira em torno de 2%, 3%. Mas, se levarmos em conta que os adolescentes estão começando a beber cada vez mais cedo, com certeza, as taxas de dependência do álcool vão subir muito nessa população de jovens que começou a beber cedo.

Drauzio – O que você chama de alcoolismo?

Ronaldo Laranjeira – Existem três padrões de consumo de bebida alcoólica. O padrão de baixo risco para os adultos é beber um ou dois copos de vinho, ou o equivalente em teor alcoólico, por dia. A maioria das pessoas tolera esse nível de toxicidade do álcool e não paga um preço biológico alto. Há quem diga até que esse padrão de consumo tem efeitos positivos.

Se beber mais do que isso, porém, estará fazendo uso nocivo do álcool, embora ainda possa não ser dependente. A dependência se caracteriza pelo uso regular de álcool em grandes volumes. Esse procedimento indica que a pessoa já se tornou tolerante e não bebe mais pelos efeitos agradáveis que a bebida possa provocar. Bebe porque precisa. Se não o fizer, fica irritada. Quem se vangloria de beber cinco doses de vodcas, de uísque ou dez latinhas de cerveja sem ficar bêbado já demonstra sinais de dependência porque pode expor o organismo a grandes volumes sem alterar o comportamento.

Fonte: site Dr. Drauzio Varela

domingo, 8 de julho de 2012

ALERTA: GRIPE H1NI

C
(CLICA NA IMAGEM 2x PARA AMPLIAR)
Tendo em vista o aumento no número de casos de gripe A (H1N1) no Brasil, o Ministério da Saúde retirou o contato com pessoas vindas do exterior como uma das características da infecção, pois considera que a doença já está disseminada no país. Dessa forma, é importante identificar os sintomas característicos sintomas da gripe H1N1 (gripe suína). Para facilitar a compreensão, observe a imagem acima que aponta as principais diferenças entre a gripe A (H1N1) e a gripe comum.

Como nesta época do ano são comuns as doenças do trato respiratório, tais como sinusite, bronquite, rinite e resfriado, é importante a avaliação médica para um correto diagnóstico do quadro. Nesse sentido, indicamos que as pessoas que possuem plano de saúde busquem primeiramente o atendimento de seu médico assistente. Esta orientação tem como propósitos:

· Correto diagnóstico do quadro clínico;

· Evitar a automedicação, que é perigosa, muitas vezes agrava o quadro e pode causar danos à saúde e efeitos colaterais;

· Evitar um aumento desenfreado na procura por atendimento em Unidades de Saúde e hospitais.

Este não é o momento para pânico e aglomeração. Lotar os serviços de saúde pode colaborar na disseminação de microorganismos patogênicos, entre eles o vírus Influenza A (H1N1). Portanto, seja consciente e cidadão.

Se você deseja fazer algo, adote as seguintes medidas de higiene e saúde:

· Ao tossir ou espirrar cubra o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente descartável;

· Se não for possível, utilize o braço, e não a mão, para cobrir a boca. O vírus é transmitido principalmente pelas mãos;

· Lave as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir ou espirrar;

· Não compartilhe alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal;

· Evite tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies;

· Faça uma dieta balanceada rica em frutas, legumes e verduras;

· Aumente o consumo de água;

· Pessoas com sintomas de gripe não devem frequentar ambientes fechados. Evite aglomerações;

· Não use medicamentos sem orientação médica;

· Procure prontamente uma unidade de saúde em caso de suspeita de infecção pela Influenza A (H1N1), para diagnóstico e tratamento adequado.

Dessa forma, você estará colaborando para o controle da disseminação de microorganismos patogênicos, bem como auxiliando o seu sistema imunológico a se fortalecer ao cuidar da alimentação e aumentar a ingestão de líquidos.

Para esclarecimento de perguntas e respostas frequentes sobre a gripe A, acesse o Ministério da Saúde.

Fonte: Diretoria Administrativa e Setor de Medicina e Segurança do Trabalho – Instituto de Tecnologia do Paraná – TECPAR

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Exercícios Resolvidos - Citologia

Questões:

01. Qual é a função associada com cada uma das seguintes estruturas celulares?

a) membrana plasmática
b) ribossomos
c) lisossomos
d) mitocôndrias


02. Qual a importância do núcleo para a célula?


03. (UNAERP) Numa célula especializada na produção de energia espera-se encontrar grande número de:

a) cílios
b) mitocôndrias
c) nucléolos
d) ribossomos
e) corpos de Golgi


04. (PUCC) Nas células, a função de secreção está reservada:

a) ao aparelho de Golgi
b) às mitocôndrias
c) ao retículo endoplasmático
d) aos ribossomos
e) aos lisossomos


05. Relacione as organelas celulares e suas funções:

(1) núcleo (A) secreção celular
(2) mitocôndrias (B) transporte intracelular
(3) lisossomos (C) respiração celular
(4) Complexo de Golgi (D) digestão celular
(5) retículo endoplasmático (E) controle das atividades celulares

a) 1A, 2B, 3C, 4D e 5E
b) 1E, 2C, 3D, 4A e 5B
c) 1C, 2E, 3D, 4B e 5A
d) 1D, 2A, 3C, 4B e 5E
e) 1E, 2C, 3A, 4D e 5B



Resolução:

01. a) permeabilidade seletiva b) síntese de proteínas
c) digestão intracelular d) respiração celular


02. O núcleo, através dos genes, coordena todas as atividades celulares.

03. B

04. A

05. B

Fonte: www.coladaweb.com

ATMOSFERA/CAMADAS DA ATMOSFERA


Troposfera
É a camada da atmosfera em que vivemos e respiramos. Ela vai do nível do mar até 12 km de altura. É nesta camada que ocorrem os fenômenos climáticos (chuvas, formação de nuvens, relâmpagos). variar de 40°C até –60°C. Quanto maior a altitude menor a temperatura.

Estratosfera
Esta camada ocupa uma faixa que vai do fim da troposfera (12 km de altura) até 50 km acima do solo. Na estratosfera localiza-se a camada de ozônio, que funciona como uma espécie de filtro natural do planeta Terra, protegendo-a dos raios ultravioletas do Sol. Aviões supersônicos e balões de medição climática podem atingir esta camada.

Mesosfera
Esta camada tem início no final da estratosfera e vai até 80 km acima do solo. A temperatura é extremamente fria, pois não há gases ou nuvens capazes de absorver a energia solar.

Termosfera
Tem início no final da mesosfera e vai até 500 km do solo. É a camada atmosférica mais extensa. É uma camada que atinge altas temperaturas, pois nela há oxigênio atômico, gás que absorve a energia solar em grande quantidade.

Exosfera
É a camada que antecede o espaço sideral. Vai do final da termosfera até 800 km do solo. É formada basicamente por metade de gás hélio e metade de hidrogênio.
Fonte:www.suapesquisa.com

CICLO DA ÁGUA NA NATUREZA


Assista ao vídeo, e entenda porque a água na natureza não acaba.

video

Fonte: youtube.com

MUDANÇAS DE ESTADO FÍSICO DA MATÉRIA




Fusão: passagem do estado sólido para o líquido.


Solidificação: passagem do estado líquido para o sólido.

Ponto de Fusão: é a temperatura constante na qual um sólido se transforma num líquido.

Os pontos de fusão e solidificação ocorrem numa mesma temperatura.

Vaporização: é a passagem do estado líquido para o estado gasoso. A vaporização pode ocorrer de três formas: evaporação, calefação e ebulição.

Condensação: é a passagem do estado gasoso para o estado líquido. A condensação de um gás para o estado líquido é denominada de liquefação.


Ponto de Ebulição: é a temperatura constante na qual um líquido passa para o estado gasoso.

Sublimação: é passagem do estado sólido diretamente para o estado gasoso.


QUÍMICA

A Química é a ciência que estuda a constituição da matéria, sua estrutura interna, as relações entre os diversos tipos de materiais encontrados na natureza, além de determinar suas propriedades, sejam elas físicas – como, por exemplo, cor, ponto de fusão, densidade, etc. – ou químicas, que são as transformações de uma substância em outra.


Matéria, Corpo e Objeto

Chamamos matéria a tudo que tem massa, ocupa lugar no espaço e pode, portanto, de alguma forma, ser medido. Por exemplo: madeira, alumínio, ferro, ar, etc.


Corpo é uma porção limitada da matéria e objeto é um corpo fabricado para um determinado fim.


Resumindo, podemos dizer que o ferro é matéria, uma barra de ferro é um corpo e um portão de ferro é um objeto.

Fonte:www.vestibulandoweb.com.br

Propriedades da Matéria


A matéria apresenta várias propriedades que são classificadas em gerais, funcionais e específicas.


I. Propriedades Gerais da Matéria

São comuns a toda e qualquer espécie de matéria, independentemente da substância de que ela é feita. As principais são: massa, extensão, impenetrabilidade, divisibilidade, compressibilidade e elasticidade.

• Massa

Todos os corpos possuem massa.

• Extensão

Todos os corpos ocupam lugar no espaço.

• Impenetrabilidade

Dois corpos não ocupam, ao mesmo tempo, um mesmo lugar no espaço.

• Divisibilidade

Os corpos podem ser divididos em partes cada vez menores.

• Compressibilidade

Os corpos possuem a propriedade de poder diminuir de tamanho, sob a ação de forças externas.

• Elasticidade

Os corpos possuem a propriedade de voltar à forma e volume originais, cessada a causa que os deformou.


II. Propriedades Funcionais da Matéria

São propriedades observadas somente em determinados grupos de matéria. Esses grupos são chamados funções químicas, e as principais são: ácidos, bases, sais e óxidos que serão estudados oportunamente.


III. Propriedades Específicas da Matéria

São propriedades que permitem identificar uma determinada espécie de matéria. Dentre as propriedades específicas, podemos citar:
Propriedades físicas: ponto de fusão, ponto de ebulição, densidade.
Propriedades organolépticas: odor, sabor.
Propriedades químicas: reações químicas.


Fonte: www.vestibulandoweb.com.br

quarta-feira, 4 de julho de 2012

DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS

CÓLERA

A Cólera é causada pelo vibrião colérico (Vibrio cholerae, uma bactéria em forma de vírgula ou bastonete que se multiplica rapidamente no intestino humano eliminando potente toxina que provoca diarréia intensa), a doença (de origem indonésia) é transmitida através da ingestão de água ou alimentos contaminados. O tratamento imediato é o soro fisiológico ou soro caseiro para repor a água e os sais minerais: uma pitada de sal, meia xícara de açúcar e meio litro de água tratada. No hospital, a doença é curada com doses de antibióticos. A higiene e o tratamento da água e do esgoto são as principais formas de prevenção. A vacina existente é de baixa eficácia (50% de imunização) e de efeito retardado (de 3 a 6 meses após a aplicação).

COQUELUCHE

Trata-se de uma enfermidade que agride o aparelho respiratório e é causada por três bactérias do gênero Bordetella, sobretudo a B. pertussis. O contágio se dá pelas gotículas de saliva liberadas pelo doente por meio de tosse, espirro ou fala - objetos contaminados também podem transmitir a doença. O período de maior contaminação acontece quando o enfermo se encontra na primeira fase da infecção (catarral), onde os sintomas ainda não são suficientemente claros, e que ainda permitem um maior contato social do doente com pessoas sadias. primeiros sintomas que apresentam-se sob a forma de tosse com catarro, coriza, ligeiro mal-estar e, raramente, febre baixa, o que não permite diferenciar a coqueluche de qualquer gripe comum. Com o passar do tempo (duas semanas aproximadamente), a coqueluche começa a se expressar mais intensamente por meio de sintomas típicos: a tosse torna-se mais seca e curta, ocorrendo de oito a dez vezes em um único movimento expiratório (lembrando o soar de uma metralhadora). A tosse quase deixa o paciente sem ar e ao tentar inspirá-lo de volta, é possível identificar um guincho, semelhante a um assobio, característico da infecção e seguidos da eliminação de uma substância viscosa que, por vezes, provoca vômitos.Se não for tratada, a coqueluche pode provocar complicações respiratórias graves como broncopneumonia, enfisema, dispnéia, ruptura do diafragma, inflamação nos ouvidos, convulsões, coma e morte.A melhor forma de evitar a coqueluche é através da aplicação da vacina tríplice e do isolamento dos doentes. Nos casos mais graves, costuma-se administrar antibióticos, mais exatamente a eritromicina.

LEPTOSPIROSE

A leptospirose é uma doença infecciosa aguda causada pela bactéria Leptospira interrogans, transmitida pela urina de ratos. A rede de esgoto precária, a falta de drenagem de águas pluviais, a coleta de lixo inadequada e as conseqüentes inundações são condições favoráveis para o aparecimento de epidemias.Os sintomas da leptospirose aparecem entre dois e trinta dias após a infecção, sendo o período de incubação médio de dez dias. Febre alta, sensação de mal estar, dor de cabeça constante e acentuada, dor muscular intensa, cansaço e calafrios estão entre as manifestações da doença. Também são freqüentes dores abdominais, náuseas, vômitos e diarréia, podendo levar à desidratação.O tratamento de pessoas com leptospirose é feito principalmente com hidratação. Não devem ser utilizados medicamentes para dor ou para febre que contenham ácido acetil-salicílico, que podem aumentar o risco de sangramentos.

FEBRE TIFOIDE

Causada pela bactéria Salmonella Typhi, a febre tifóide é transmitida pela ingestão de alimentos ou água contaminados, ou pelo contato com os portadores. Seja como for, a única porta para a sua entrada é a via digestiva. A doença também é exclusiva do homem, não sendo encontrada manifestações dela em nenhuma outra espécie animal.. Os primeiros sintomas, caracterizados por dor de cabeça, fadiga, febre e agitação durante o sono. Deve ser tratada com antibióticos específicos, mais comumente o cloranfenicol e ampicilina, também deve-se tratar as complicações, caso hajam, e isolar o paciente, que mesmo curado pode tornar-se portador do bacilo por meses, até mesmo anos.Além da vacinação, para evitar o contágio da febre tifóide é necessário tratar a água e os alimentos, controlar o lixo, observar boas condições de higiene, identificar e vigiar os portadores dos bacilos.

PESTE BUBÔNICA

A peste bubônica é causada pela bactéria Yersinia pestis e apesar de ser comum entre roedores, como ratos e esquilos, pode ser transmitida por suas pulgas (Xenopsylla cheopis) para o homem. O excesso de bactérias pode entupir o tubo digestivo da pulga, o que causa problemas em sua alimentação. Esfomeada, a pulga busca novas fontes de alimento (como cães, gatos e humanos). Após o esforço da picada, ela relaxa seu tubo digestivo e libera as bactérias na corrente sangüínea de seus hospedeiros.

A peste bubônica também é conhecida como peste negra. Tal denominação surgiu graças a um dos momentos mais aterrorizantes da história da humanidade protagonizado pela doença: durante o século 14, ela dizimou um quarto da população total da Europa (cerca de 25 milhões de pessoas).

BOTULISMO

É uma doença infecciosa produzida pela bactéria toxina do bacilo Clostridium botulinum que produz uma paralisia no nível do sistema nervoso. Os primeiros casos aconteceram pela ingestão de salsichas contaminadas e outros derivados da carne. Felizmente e devido aos progressos nas técnicas de enlatado e conservação dos alimentos, tem-se observado uma diminuição importantíssima de sua incidência. começa com uma paralisia dos músculos da cabeça que vai descendo simetricamente, visão borrada, dificuldade para falar e para deglutir os alimentos, que pode-se acompanhar de manifestações gerais como fraqueza muscular, enjôos e desmaios. Também aparece: secura da boca e da língua que não se alivia com a ingestão de líquidos, constipação, retenção de líquidos e diminuição da pressão arterial. Caso comprometer os músculos respiratórios, pode acontecer a morte, pelo fato de mudar a mecânica respiratória. tratamento específico consiste no fornecimento de soro que contenha anticorpos contra a toxina del C. botulinum, que somente age sobre a toxina que circula pelo sangue e não sobre a ligada ao sistema nervoso.

TÉTANO

A bactéria Clostridium tetani, agente causadora da moléstia, uma vez no organismo humano, a Clostridium germina, assume uma forma vegetativa e passa a produzir uma poderosa toxina chamada tetanospasmina que ataca o sistema nervoso central, causando rigidez muscular em diversas regiões do corpo. Entre os principais sintomas observa-se o trismo (alteração nervosa que impossibilita a abertura da boca), riso sardônico (produzido por espasmos dos músculos faciais), dores nas costas, rigidez abdominal e da nuca, espasmos e convulsões. O quadro pode ser tornar complicado e causar parada respiratória ou cardíaca.

TUBERCULOSE

Grave e causada por uma bactéria chamada Mycobacterium tuberculosis (também conhecida como bacilo de Koch), a tuberculose é transmitida pelas vias respiratórias. O contágio se dá pelas gotículas de escarro eliminadas pelo enfermo quando este tosse ou espirra ou mesmo pela poeira gerada pelo catarro expelido. Quanto aos sintomas, Vicentin explica: "a tosse prolongada por mais de três semanas, mesmo sem febre, é o primeiro indício da infeccção. Depois pode se seguir catarro, febre acompanhada de muito suor, perda de apetite e emagrecimento".

Apesar dos números altos, Vicentin afirma que o tratamento à base de antibióticos aplicado no país é excelente e 100% eficaz. No entanto, aponta seu abandono como outro problema importante: "a cura leva seis meses, mas muitas vezes o paciente não recebe o devido esclarecimento, está desempregado, com baixa auto-estima, não é estimulado e acaba desistindo antes do tempo". Para se evitar isso, o pesquisador sugere a formação de equipes com médicos, enfermeiros, assistentes socias e visitadores devidamente preparados.

MENINGITE MENIGOCÓCICA

Doença grave do sistema nervoso central, a meningite pode ser causada por inúmeros agentes, desde o Streptococcus pneumoniae (pneumococo causador da pneumonia) até o Leptospira (bactéria causadora da leptospirose), mas os mais relevantes são o Neisseria Meningitidis (meningococo) e o Mycobacterium tuberculosis (bacilo da tuberculose). É fundamental o diagnóstico laboratorial, que analisa aspectos físicos, citológico, bioquímico, microbiológico e imunológico. Geralmente acomete crianças ou idosos e, em algumas situações, pode surgir como conseqüência de infecções do trato respiratório superior. É tratada com antibióticos e previne-se com vacinação.

DIFTERIA

Também conhecida como crupe, a difteria é altamente contagiosa, normalmente ocorre nos meses frios e atinge, principalmente, crianças de até 10 anos de idade. A doença é produzida pelo bacilo Corynebacterium diphteriae, que se aloja nas amígdalas, faringe, laringe e fossas nasais, onde cria placas brancas ou acinzentadas, muitas vezes visíveis a olho nu. A difteria é altamente contagiosa e é adquirida pelo simples contato com os infectados, com suas secreções ou com os objetos contaminados por eles. Ambientes fechados facilitam a transmissão, que pode ser causada por portadores assintomáticos (que não manifestam a doença) ou mesmo por ex-doentes, já que estes continuam a eliminar o bacilo até seis meses após a cura.

PNEUMONIA

A pneumonia pode ser desencadeada por vírus, fungos, protozoários e, principalmente, bactérias e caracteriza-se pela inflamação dos pulmões - mais especificamente os alvéolos, onde ocorrem as trocas gasosas - em virtude de infecções causadas pelos microorganismos citados. Os principais agentes causadores da pneumonia são as bactérias Diplococcus pneumoniae, Haemophilus influenza, Staphylococcus aureus e Klebsiella pneumoniae. Entre os vírus destacam-se o do sarampo e o da varíola (este último, já extinto). A doença pode ser adquirida por simples aspiração do ar ou de gotículas de saliva e secreções contaminadas ou, ainda, por transfusão de sangue. Normalmente a moléstia atinge crianças, idosos e pessoas com baixa imunidade, como alcoólatras, tabagistas, ou indivíduos já atingidos por outras enfermidades - ela é a maior causa de mortes entre os enfermos infectados com o vírus da AIDS. A pneumonia também pode ser adquirida por mudanças bruscas da temperatura (por exemplo, quando se sai da ducha quente direto para a varanda com vento frio) que comprometem o funcionamento dos cílios responsáveis pela filtragem do ar aspirado. Os sintomas da doença são tosse com escarro, dores reumáticas e torácicas, febre que pode chegar a 40°C, calafrios, dor de ouvido e de garganta, aceleração de pulso e respiração ofegante. Quando não é tratada, a pneumonia pode evoluir para um quadro mais grave com acumulo de líquido nos pulmões e o surgimento de ulcerações nos brônquios. O tratamento depende do agente causador da enfermidade, mas costuma-se administrar antibióticos como a tetraciclina e a eritromicina. Também deve-se isolar o paciente para evitar o contágio de outras pessoas.

SÍFILIS

Doença infecciosa causada por uma bactéria que causa sintomas crônicos e sistêmicos quando não diagnosticada ou tratada adequadamente. Doença sexualmente transmissível, a sífilis começa na maior parte das vezes como uma ferida perto dos órgãos genitais, mas também pode aparecer nos lábios e nos dedos. A seguir, os gânglios linfáticos incham e aparece febre e dor de garganta. Se não tratada adequadamente, a doença se espalha e pode atingir até o sistema nervoso. Os sintomas são verrugas nos órgãos genitais, manchas vermelhas na pele, febre dor de garganta. O tratamento é feito com antibióticos, principalmente a penicilina. A Prevenção é usar camisinha, fazer sempre uma boa higienização, além de exames anuais do aparelho reprodutor. Os homens que sentirem dores súbitas e fortes nos testículos devem procurar um médico com urgência.

FURÚNCULO

O furúnculo é uma infecção bacteriana que provoca um nódulo vermelho, quente e dolorido, com inflamação profunda na pele. A responsável é uma bactéria perigosa, mas muito comum, chamada Staphilococcus aureus. Os primeiros sinais dessa lesão na pele são inflamação, dor aguda e vermelhidão. O nódulo apresenta um pouco de pus bem no centro. A dor que ele causa é intensa e latejante, como se estivessem cutucando com uma agulha debaixo da pele. O Tratamento em média, dura de cinco a sete dias. Se for um furúnculo simples, é provável que o médico receite compressas de água quente e pomada com antibióticos, observando se há necessidade de fazer um corte para drenar o pus. Não esprema a lesão nem fure a região com agulha. Isso pode piorar bastante o quadro. O dermatologista é o único que pode fazer a drenagem.

GONORRÉIA

Doença sexualmente transmissível, a gonorréia é uma infecção dos órgãos genitais e do sistema urinário por bactérias. Nas mulheres, não existem sinais na fase inicial. A gonorréia provoca mal-estar, febre, coceira, dor e queimação na hora de urinar, corrimento esverdeado e purulento. Ela atinge homens e mulheres, pode gerar infertilidade e até meningite – infecção na meninge, membrana que envolve o cérebro. A cura é feita com antibióticos. O preservativo reduz a chance de infecção e evita que a pessoa passe a doença para o parceiro.

ERISIPELA

A erisipela geralmente é causada por um tipo comum de bactéria, o estreptococo. Toda vez que há perda da barreira da pele, isto é, toda vez que a pele se rompe por algum motivo, o estreptococo pode penetrar e provocar uma infecção superficial acompanhada de vermelhidão e calor e que rapidamente afeta os vasos linfáticos existentes na segunda camada da pele.. Calor, rubor e dor são três sintomas de inflamação que a medicina conhece há muito tempo e que se manifestam também na erisipela.

LEPRA

O chamado Mal de Hansen ou Lepra é uma doença infecciosa crônica que acomete quase que exclusivamente o homen, trata-se de uma doença que ataca principalmente os nervos periféricos e a pele. O agente que causa a lepra chama-se Mycobacterium leprae e é também conhecido como Bacilo de Hansen seu descobridor !

DOENÇA BACILAR

Da água podem vir muitas doenças, ainda mais nos dias de hoje, que este líqüido está ficando cada vez mais poluído.Causado pela Bactéria Shigella, que podem ser transmitidas pela água contaminada. Os sintomas são Fezes com sangue e pus, vômitos e cólicas. As bactérias do grupo coliforme são consideradas os principais indicadores de contaminação fecal.

FONTE: www.coladaweb.com

CÉLULAS


A célula é a menor unidade estrutural de um ser vivo, capaz de existir de maneira independente e se reproduzir.

As células animais são compostas de três partes fundamentais: membrana plasmática, citoplasma e núcleo. A membrana plasmática é o envoltório das células. No interior das células, existe o citoplasma, que é composto por várias estruturas vivas – organelas (retículo endoplasmático liso e rugoso, ribossomos, mitocôndrias, complexo de Golgi, lisossomos, centríolos e vacúolos) – e por um líquido gelatinoso chamado hialoplasma. No centro da célula, encontra-se o núcleo, que é separado do citoplasma por uma membrana, a carioteca. Nele estão o suco nuclear, o nucléolo e os cromossomos. Esses últimos possuem os genes, que determinam os caracteres hereditários.

A célula foi descoberta em 1665 pelo inglês Robert Hooke. O cientista utilizou o termo célula para designar as pequenas cavidades de um pedaço de cortiça – tecido vegetal morto – observadas por ele com um microscópio. Os microscópios de maior resolução permitiram novos avanços no estudo das células: entre 1838 e 1839, o botânico Matthias J. Schleiden e o fisiologista Theodor Schwann concluem que tanto os animais quanto os vegetais são constituídos por células.

Fonte; internet


REINOS

TODOS OS SERES VIVOS ESTÃO DISTRIBUÍDOS EM 5 REINOS:

  • REINO ANIMALIA
  • REINO PLANTAE
  • REINO FUNGI
  • PROTISTA
  • MONERA

A descrição de todos os seres vivos (vegetais e animais) e sua classificação dentro das diversas categorias constituem a parte da Biologia que se chama Taxonomia ou Sistemática.

Assim, os seres vivos são incluídos nas seguintes categorias de classificação:

Reinos → Filos Classes Ordens Famílias Gêneros Espécies

Figuras com todos os reinod animais

CONCEITOS BÁSICOS EM BIOLOGIA

Alguns conceitos em biologia:

BIOTÓPO - Área física na qual os biótipos adaptados a ela e as condições ambientais se apresentam praticamente uniformes.

BIOSFERA - Toda vida, seja ela animal ou vegetal, ocorre numa faixa denominada biosfera, que inclui a superfície da Terra, os rios, os lagos, mares e oceanos e parte da atmosfera. E a vida é só possível nessa faixa porque aí se encontram os gases necessários para as espécies terrestre e aquáticas: oxigênio e nitrogênio.

HABITAT - É um lugar de vida de um organismo. Total de característica ecológica do lugar especifico habitado por um organismo ou população.

NICHO ECOLÓGICO - Pequena habitação ecológica que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente em que vivem bem como as suas recíprocas influencia, mesologia num espaço ocupado por uma espécie ou um organismo vivo.

ECOSSISTEMA - Conjunto dos relacionamentos mútuos que o meio ambiente e a flora, fauna e os micros organismo que nele habitam, e que incluem fatores de equilíbrio geológico, atmosférico, meteorológico e biológico.

POPULAÇÃO - Comunidade de seres vivos que se entrecruzam livremente, graças ao quê trocam, entre si material genético.

ESPÉCIE - Conjunto de indivíduos muito semelhante entre si e aos ancestrais, e que se, entrecruzam. A espécie é unidade biológica fundamental. Varias espécies constituem um gênero: espécie vegetal; espécie animal e a espécie humana (gênero humano).

terça-feira, 3 de julho de 2012

O que se estuda em Ciências

Conferência da Sustentabilidade - RIO + 20

Governos: alguns compromissos assumidos durante a Rio+20


Cidades se comprometem a reduzir emissões e fundos disponibilizam recursos para investimentos verdes

No âmbito governamental, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, chegou a muitos acordos. Um dos seus legados de sucesso foi ocompromisso assumido por prefeitos das maiores cidades do mundo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 12% até 2016, e em 1,3 bilhão de toneladas até 2030.

Essa definição saiu da Cúpula dos Prefeitos, formada pelos prefeitos integrantes do grupo C40, que foi realizada paralelamente à Rio+20 no espaço Humanidades, no Forte de Copacabana. O C40 é presidida pelo prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, e reúne 59 das maiores cidades do mundo, entre elas, as brasileiras São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

Outro compromisso assumido durante a Rio+20 foi a criação do primeiro Banco de Investimentos Verdes (Green Investment Bank) do país e, muito provavelmente, do mundo, anunciada pelo Vice-Primeiro Ministro do Reino Unido, Nick Clegg.

Seu objetivo será financiar empreendimentos de infraestrutura com baixa emissão de carbono a partir deste ano. Algumas das áreas na mira do governo serão a energia eólica (em especial os parques eólicos offshore, em alto mar), a destinação e o tratamento correto de resíduos e a eficiência energética, tanto para empresas quanto para pessoas.

A instituição deverá começar com £3 bilhões (quase R$8 bilhões). Não terá como mantenedor o tesouro britânico e espera-se que até 2015 o país capte no mercado cerca de £15 bilhões (quase R$ 40 bilhões) a fim de disponibilizar mais recursos para os investimentos verdes.

O Brasil também anunciou durante a Rio+20 que vai colocar 10 milhões de dólares na África e pequenas ilhas para processos de mitigação e adaptação desses países, independentemente da criação de um fundo internacional.

“Com esse gesto, queremos mostrar que achamos fundamental introduzir a questão dos fundos na pauta daqui para frente", declarou a Presidenta Dilma Rousseff. "É voluntário. O Brasil põe o que quer, cada um põe o que quer. É um sinal de que achamos que temos que caminhar nessa direção".

Fonte: www.rio20.gov.br

BIODIVERSIDADE


BIODIVERSIDADE OU DIVERSIDADE BIOLÓGICA


É a diversidade da natureza viva. Desde 1986, o conceito tem adquirido largo uso entre biólogos, ambientalistas, líderes políticos e cidadãos informados no mundo todo. Este uso coincidiu com o aumento da preocupação com a extinção, observado nas últimas décadas do século XX.

Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Ela pode ser entendida como uma associação de vários componentes hierárquicos: ecossistema, comunidade,espécies, populações e genes em uma área definida.

A biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas temperados.

Refere-se, portanto, à variedade de vida no planeta Terra, incluindo a variedade genética dentro das populações e espécies, a variedade de espécies da flora, da fauna, de fungos macroscópicos e de microrganismos, a variedade de funções ecológicas desempenhadas pelos organismos nos ecossistemas; e a variedade de comunidades, habitats e ecossistemas formados pelos organismos.

A biodiversidade refere-se tanto ao número (riqueza) de diferentes categorias biológicas quanto à abundância relativa (equitatividade) dessas categorias. E inclui variabilidade ao nível local (alfa diversidade), complementaridade biológica entre habitats(beta diversidade) e variabilidade entre paisagens (gama diversidade). Ela inclui, assim, a totalidade dos recursos vivos, ou biológicos, e dos recursos genéticos, e seus componentes.

A espécie humana depende da biodiversidade para a sua sobrevivência.

Outra definição, mais desafiante, é "totalidade dos genes, espécies e

ecossistemas de uma região". Esta definição unifica os três níveis tradicionais de diversidade entre seres vivos:

Fonte: Wikipédia